Sobras

O que a maioria das pessoas estava interessada em saber era a origem do nome, 102. É um nome bacana para um restaurante, eu acho, mas é claro que tinha uma história por trás. Bem, quando ele abriu da primeira vez, ficava em um lugar diferente e, por falta de uma ideia melhor, eles simplesmente colocaram o endereço como o nome, pendurando grandes números e letras de metal na fachada. Mas a parte do Crescent no nome, por algum motivo, nunca ficou no lugar. Mesmo feito do mesmo material que os números e pendurado da mesma forma, continuavam caindo. O 102 ficou no lugar até eles se mudarem, os mesmos três caracteres de metal usados na fachada do novo endereço. Quase ninguém sabe que o restaurante teve uma outra vida em um lugar diferente, mas é praticamente o mesmo restaurante. As mesas e cadeiras, toda a decoração interior, mesmo os equipamentos da cozinha, tudo veio do original. As únicas coisas novas são as luminárias que imitam aqueles balões de ar quente feitos de papel, lindos tubos amarelos decorados dando ao lugar seu clima romântico singular. Cada lanterna tem um desenho único, sóis e estrelas estilizadas, arabescos, e linhas orgânicas. O arranjo em mesas de dois lugares foi simplesmente para economizar espaço, mas as pessoas assumiram que isso queria dizer que o restaurante recebia exclusivamente casais. E assim, de uma fábula para outra, o 102 tornou-se conhecido ao ponto em que para comer lá era preciso fazer uma reserva com ao menos três semanas de antecipação. Conseguir uma mesa no um-zero-dois era um grande privilégio.

“Sabe, o um-zero-dois não era pra ser um restaurante só para casais”, ela disse.

“Como assim?”

“Bem, quando chegou a hora de arrumar o salão, nós só pensamos que colocar as mesas dessa forma ficaria bonito. Limpo. Mas são as luminárias que realmente dão o charme ao lugar, você não acha?”

“Nós?”

“É, meu irmão e eu. Você não sabia?”

Ótimo. Eu vinha cortejando essa mulher incrível a algum tempo, tomando cuidado com o que dizia para que ela não tivesse uma impressão errada ao meu respeito, esperando pelo momento certo para convidá-la para jantar, para finalmente aproveitar a reserva que fiz várias semanas antes. Eu até disse que tinha conseguido uma mesa em um dos restaurantes mais bacanas da cidade, no único momento em que me deixei levar e tentei impressioná-la. Ela perguntou qual restaurante mas eu mantive a surpresa. No caminho para cá, eu reparei que ela descobriu onde estávamos indo. Ainda assim, logo que eu passei o carro para o valet e abri a porta para ela, ela tinha um grande sorriso no rosto e disse, “Ah, isto vai ser interessante”. Belo primeiro encontro. Agora eu entendo que eu interpretei mal os olhares na cara do nosso garçon.

“Desculpe, eu pensei que você sabia”, ela disse sorrindo enquanto mordia um dos pãezinhos quentes.

Ainda bem que eu não conseguia ver meu rosto. Mas eu sei como estava. Quente e vermelho, olhos bem abertos, sobrancelhas arqueadas, boca movendo no ritmo das milhões de coisas esperando para serem ditas em confusão. “Está… tudo bem. Mas eu realmente não tinha ideia.”

“Pense assim: agora eu tenho certeza de que você tem bom gosto. Além do mais, dizem que o molho Alfredo aqui é sensacional”, ela disse com uma piscadela.

“Isso me desconcertou. Eu tinha toda uma série de tópicos interessantes para conversar. Eu ia te contar a história do restaurante, por que ele se chama um-zero-dois.”

“Você sabe?”

“Sim, eu inclusive já comi no endereço original.”

Ela deu um gole na sua água com gás e me olhou de um jeito maroto. “Para quantas garotas você já contou essa história?”

Eu sorri. “É verdade que não dá para fazer uma reserva para mais de duas pessoas?” Era uma tentativa boba de mudar de assunto, eu sei, mas eu tinha perdido completamente o jogo de cintura. Ela sorriu de volta.

“Então, quantas vezes?”

“Você é a primeira, juro. Não é fácil conseguir uma reserva aqui, sabe? Eu não sei o que faria se você não tivesse aceitado meu convite para jantar.”

“Eu estava perguntando quantas vezes você foi ao lugar antigo, mas agora tenho uma pergunta muito melhor: há quanto tempo você vem planejando isto?” Seu olhar maroto estava no nível máximo.

“Me conta alguma coisa esquisita a seu respeito”, estava novamente tentando mudar de assunto.

“Eu gosto de bandas que não existem mais”, ela disse mordendo.

“O que?”

“É, tipo bandas que se separaram ou, ainda melhor, um dos membros morreu.”

“Hum… E eu imagino que agora chegou a parte em que você espera que eu pergunte por que.”

“Exatamente. É mais fácil, sabe? Eu posso conseguir todos os álbuns de uma vez só, não preciso ficar seguindo a banda por aí ou esperar pelo seu último trabalho, e não tenho que me preocupar se vou ou não gostar do que eles vão lançar em seguida.”

“Faz sentido, dito dessa forma.”

“Faz mesmo, não é?” A conversa estava ótima.

“Então, artistas solo mortos também?”

“Claro. Desde que eu tenha certeza de que tudo que foi lançado está disponível. Isso conta?”

“Conta?”

“Como algo esquisito.”

Foi a minha vez de dar-lhe um olhar maroto. “É esquisito o suficiente.”

Eu fui várias vezes no endereço antigo. Era maior que o novo, mas preciso concordar que as luminárias deram um toque especial. Eu morava perto do 102 original. Bem perto. No andar de cima, para ser exato. Eu estava lá para as primeiras experiências na cozinha, cheirando a cornucópia de aromas vindo pela minha janela, vendo a construção progredir toda vez que saía para a faculdade. Eu perguntei aos trabalhadores sobre a data de inauguração mas nunca obtive uma resposta direta. Eu queria estar lá no primeiro dia, saber se o que quer que estavam cozinhando tinha um gosto tão bom quanto o cheiro. Mas quando eu voltei de uma viagem de acampamento de quatro dias com amigos, vi as luzes na fachada acesas, a grande janela na frente aberta já que era um dia quente de verão. A recepcionista disse que estavam abertos a apenas três dias. Eu perdi o primeiro, mas a minha primeira refeição lá foi ainda assim marcante. Não se come muito bem numa viagem de acampamento com jovens mais interessados em beber e flertar, então minha fome pode ter tido um certo papel nisso. Ainda assim, as costelas estavam excelentes, e também o purê de batatas acompanhando. Meu prato estava vazio em pouco tempo, o que me garantiu olhares espantados dos garçons e dos clientes – o quê, uma garota não pode devorar uma costela de 750g com purê de batatas acompanhando em seis minutos cravados? Eu estava com fome, me dá um tempo. Enquanto eu escolhia o que pedir de sobremesa – é, sério – eu reparei que a maioria das pessoas não terminavam seus pratos. As porções eram generosas, isso era verdade. Então de vez em quando um garçon passava com um pacotinho de isopor contendo o que quer que tivesse sobrado na mesa.

“As pessoas ainda saem daqui levando as sobras?”

“Isso é algum tipo de indireta? Não tem nada no seu prato também.” Verdade. No final da nossa primeira refeição juntos, ambos nossos pratos estavam vazios. E não é como se as porções tivessem diminuído. Tem que amar uma garota dessas.

“Não é isso. No lugar antigo quase todo mundo saía do restaurante com um pacotinho, sabe?”

“Quase todo mundo, quer dizer, menos você.” Tem que amar uma garota dessas.

“Eu honestamente não sei para onde vai tudo que eu como. Ninguém acredita quando me veem comendo. Mas você também não deixa por menos.”

“É, essa sua conversa fiada deve ter me distraído, normalmente eu não como tanto assim.” Olhar maroto. “Mas, sim, a maioria das pessoas ainda sai levando alguma coisa. É um dos nossos pequenos segredos.”

“O que é?”

“Nós embalamos as sobras juntas. Temos esse recipiente especial com divisores e só damos um por mesa, com um cartão encorajando o casal a continuar a experiência um-zero-dois em casa.”

“Muito inteligente.”

“Obrigado.”

“Se vocês dessem também uma réplica das luminárias, seria ainda melhor.”

Ela abriu um grande sorriso. “Muito inteligente!” Eu vi seus olhos indo dos meus para o alto e para a direita, então para o alto e para a esquerda, como se ela tivesse tomando nota mentalmente. O garçon se aproximou perguntando se iríamos querer sobremesa. Antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, ela pediu uma fatia de cheesecake e um bolo de chocolate derretido. “Confie em mim”, ela disse piscando. Como com tudo que é servido lá, não era uma fatiazinha nem um bolinho. Ela pegou a longa colher e escavou um pedaço de cada, que ela rapidamente levou à minha boca. Êxtase total.

“É uma pena que não vamos ter nada para continuar essa experiência em casa”, eu disse armando-me com a minha própria colher longa.

“Ah, não se preocupe. Ainda há várias experiências que a gente pode fazer em casa.” Ela nem precisou olhar pra mim dessa vez para eu saber o que seu olhos estavam dizendo.

No geral, posso dizer que foi um sucesso. Talvez o acidente de ter sem querer convidado a dona do restaurante para jantar lá tenha criado alguns momentos interessantes que meu plano original não conseguiria alcançar. Eu pude visitar a cozinha, cumprimentar o chef pelo seu molho Alfredo realmente excelente, ganhei uma garrafa de vinho de cortesia; mas insisti em pagar o jantar. Tenho meu orgulho de mulher, sabe?

Não esperava contato dela tão cedo. Não que eu seja uma garota do tipo uma noite e nada mais, era só uma questão de dar espaço à outra pessoa. Mas quando eu estava me preparando para sair do trabalho e ir para casa, um entregador deixou algo na minha mesa. Era uma charmosa pequena embalagem, um tipo de marmita, um grande 102 dourado impresso na tampa. Sobre isso, uma pequena luminária como as do restaurante, feita de papel de seda e arame, claramente algo feito por mãos não muito habilidosas, com uma daquelas velinhas de fondue dentro. E um bilhete: “Nem pense em comer tudo sozinha.”

Anúncios

Um pensamento sobre “Sobras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s