Pelo Caminho

step-one-cardboard-box

Quem não gosta das manhãs de domingo? Bem, Zoe certamente gostava. Nada para fazer, ela podia acordar na hora que quisesse – mesmo que sempre acordasse cedo, droga de hábito – e, o melhor de tudo, ela podia saborear o longo saudável café-da-manhã como ela nunca tinha tempo durante a semana. Era assim que ela estava naquela manhã de domingo em particular. A cama permaneceu no exato mesmo estado de quando ela acordou numa inamistosa sete da manhã, assim como seu cabelo, uma bagunça despenteada, seus belos cachos enroladinhos atirando-se em todas as direções de um jeito que ela sequer ousava olhar – ela fazia questão de evitar espelhos em manhãs como aquela. Ela não queria domar a sua juba a menos que precisasse. E a única coisa que ela precisava fazer naquela manhã era nada. Continuar lendo

Anúncios

A Palavra

necronomicon

“Cara, isto está muito bom!”, pensou Ryan quando tinha terminado. Mesmo que preto não fosse a sua cor preferida, que o chapéu esquentasse a sua cabeça, e nem precisa chegar na meia-calça, a pessoa no espelho não era ele. Era sua irmã emo-gótica-sei-lá-o-quê, do esmalte carmesim escuro até a complexão pálida enriquecida com batom escuro e sombra nos olhos. Quando ele começou a brincar com o armário de Emma, ele esperava que fosse ficar parecido, mas tinha atingido a perfeição total. Continuar lendo

Um Grão de Areia

Play_numbers_1440x900

Para a surpresa da sua família, que pensou que ele nunca se interessaria por aquele tipo de diversão, o Pequeno Tommy acordou cedo e foi para a praia. E ele levou a pá de brinquedo e o balde! Era a primeira vez que ele espontaneamente escolhia qualquer coisa infantil. Cavar buracos na areia, quem diria? Bem, não qualquer tipo de buraco, claro. Tommy passou a maior parte do dia trabalhando num design incrivelmente intrincado, buracos perfeitamente redondos de tamanhos diferentes, conectados por sulcos retos e cristas orgânicas, tudo cuidadosamente espalhado por uma área do tamanho de uma pequena casa. Continuar lendo

Intervenção

cityscape-1

É difícil explicar para os outros o que eu faço. Todos querem detalhes que eu não só sou incapaz de dar, mas sou também proibido. Cláusulas de confidencialidade. Mas mesmo que eu pudesse dizer tudo, provavelmente levantaria ainda mais questões que antes. Em termos simples, eu salvo empresas. Eu intervenho quando as coisas já estão indo ladeira abaixo há algum tempo, coloco tudo em ordem e dou à companhia uma maneira de permanecer à tona por um tempo. Mas não sou só um consultor, não mais. Continuar lendo

Paradoxo

photo

Aquele era o pior jeito de acordar. No meio de um sonho, um baque alto vindo da sala fez Megan pular na cama, a mente confusa entre as belas imagens onde estava e a escuridão do quarto, o coração acelerado pelo susto, respiração ofegante como se tivesse acabado de correr 100 metros rasos. Alguns momentos naquele estado semi-acordada e ela nem tinha mais certeza de que tinha realmente ouvido um barulho. Continuar lendo